Currículo de Perspectiva Cultural

Linhas Gerais

O currículo do Da Vinci, escola de perspectiva cultural, mostra-se no cotidiano como um elo entre o que se declara como princípios gerais e as práticas executadas em ações contínuas. Ocupa lugar central no plano de formação de profissionais e alunos, visto ser referência de todas as atuações educativas.
O currículo de perspectiva cultural exerce a função da formação integral do indivíduo, rejeitando a simplificação do modelo de grade de saberes instituídos como único foco de atuação, ampliando-a para uma proposta de abertura e flexibilidade que se propõe a potencializar ao máximo a aquisição do conhecimento científico/social de seus integrantes.

Em síntese, os conteúdos propostos para o currículo de perspectiva cultural são expressos em conhecimento de fatos, construção de conceitos, elaboração de princípios, desenvolvimento/aquisição de atitudes, reconhecimento de normas, construção de valores, utilização de rotinas permanentes nos procedimentos. Planejados à luz da reflexão sobre as práticas vivenciadas, completam-se, transformam-se ou compatibilizam-se, a partir de análises e avaliações contínuas.
O currículo de perspectiva cultural promove interações com o meio sempre de forma intencional; desenvolve dimensões fundamentais ao exercício da cidadania e da ética; propicia a apreciação estética e o afloramento de múltiplas inteligências; assegura o diálogo entre os universos acadêmico, do trabalho e da economia; canaliza a tecnologia para a humanização e sensibilização.

monalisa

Formação Integral

O compromisso com a formação integral do homem é transparente pela definição da missão da Escola, que visa à alta qualidade e à diferenciação para o desenvolvimento das dimensões biológica, social e espiritual do indivíduo. O aluno do Da Vinci é reconhecido como indivíduo portador de potencialidades, em formação continuada.

Ao mesmo tempo que se busca nutrir os estudantes com sólido corpo de conhecimentos, desenvolve-se sua cidadania, consciência sociocultural, tomada de decisões com base em fundamentos, compreensão e uso intencional da tecnologia, preparação para o mundo do trabalho, formação ética, autonomia intelectual, espírito crítico, apreciação estética. Instiga-os também a aplicar a espaços internos e externos da Escola as noções de respeito à pessoa e ao patrimônio, cuidado com o ambiente, preservação da memória cultural, convivência com a diversidade, protagonismo juvenil, responsabilidade social. Na convivência entre o academicismo e o humanismo, capacidade criativa e pendor científico, auto e heteroformação, está a maior riqueza do ser integral. Os princípios vincianos (curiosidade, demonstração, sfumato, arte/ciência, corporalidade, conexão) também compõem a formação integral do aluno, o que favorece o despertar de sentidos e consciências e o aflorar de múltiplas inteligências.